Dez parquitos: pais criam paródia de Despacito

Quem nunca ficou com o hit do momento, Despacito, grudado na cabeça? Luiza e Hilan Diener, do blog Potencial Gestante, decidiram criar uma versão diferente da música, baseada na “loucura” que é a vida com três crianças (Benjamin, 7 anos, Contança, 4, e Guadalupe, 1). Divertido, o vídeoclipe em família mostra os pais com os pequenos nos parquinhos, que, muitas vezes, são a solução para os meninos gastarem energia e se divertirem, quando a situação em casa está beirando o incontrolável. “Tira essa pedra da boca/ Seu brinquedo favorito/ Deixa sua irmã passar que ali não tem perigo/ Gente, para quê tanto grito/ Chega dói o meu ouvido”, diz um dos trechos da versão.

Ao anunciar a terceira gravidez, o casal já tinha lançado uma paródia da música Uptown funk, do cantor Bruno Mars – que virou Tem mais pão. “Se dependesse somente de criatividade, lançaríamos uma paródia por semana, mas a nossa realidade é bem diferente. Tocamos o barco, a casa, os filhos e o home office sozinhos e acontecem um milhão de coisas ao mesmo tempo aqui. Para vocês terem noção, essa paródia demorou três meses pra sair. Boas ideias não faltam. O que falta é tempo mesmo”, conta Luiza, em entrevista a CRESCER.

Não deve ser mesmo nada fácil dar conta de três crianças pequenas e ainda ter tanta criatividade. “A gente se vira como pode. Fazer piada de tudo é uma coisa e é justamente por vivenciarmos tão intensamente essa mater/paternidade que acabamos tendo muita bagagem para falar sobre o assunto. Criar três filhos, muitas vezes, é exaustivo, mas encarar as coisas com bom humor torna tudo mais leve e prazeroso”, explica a mãe.

Na versão Diener de Despacito, eles começam dizendo que o parquinho pode ser uma boa saída para as crianças, mas não demora para que se arrependam da ideia, porque as crianças querem tudo, podem se machucar, choram e viram “selvagens”. “Se fosse fácil, não teria virado paródia”, diz a mãe. “Lidar com três crianças de diferentes idades é desafiador o tempo inteiro: na hora de comer, na hora de tomar banho, na hora de escolher um desenho, na hora de sair de casa… No final, o parquinho é mais democrático, porque a criança pequenininha pode brincar com algo no chão ou balançar/escorregar no colo do pais, enquanto os mais velhos já têm uma certa autonomia. Minha dica é ir para um parquinho cercado e que não seja muito grande. Assim dá pra ficar de olho em todo mundo e, ao mesmo tempo, deixá-los livres para que façam suas próprias escolhas. Claro, ficando de olho sempre! Porque é piscar que alguém apronta uma”, completa a blogueira

Assista ao vídeo com a música abaixo (se não conseguir visualizar, clique aqui):

 

Fonte: Revista Crescer

SIGA-NOS

INSTAGRAM